Carta do Lula à militância do PT

Carta do Lula à militância do PT

Lula nos deu um claro recado para esta semana: não descansar um só minuto em defesa da democracia e de uma sociedade de direitos do povo. Ele nos chama a sair em defesa da candidatura de Fernando Haddad à presidência como se fosse a candidatura dele próprio.

Companheiras e companheiros do PT,

Estamos chegando à reta final de uma das campanhas eleitorais mais importantes da nossa história. Estamos lutando pelos direitos do povo, pela soberania do país e até mesmo pelo restabelecimento da democracia.

Estamos lutando pela nossa dignidade e pela liberdade do povo.

Fui proibido arbitrariamente de disputar essa eleição, como era desejo da maioria. Mas se a injustiça fechou a porta da minha candidatura, o povo está abrindo outra, que é a candidatura do companheiro Fernando Haddad.

Ele me representa nesta eleição e, tenho certeza, vai cuidar da nossa gente com carinho, como eu sempre cuidei.

Por isso peço a vocês que lutem muito pela eleição do Haddad. Saiam de casa todos os dias para fazer campanha e pedir votos para ele. Façam por ele como se fosse por mim.

Mais uma vez, a vitória vai depender muito da garra e do empenho de cada militante. Essa é a diferença que sempre nos fez crescer nos momentos decisivos. Só PT tem essa militância que é a alma do nosso partido.

Vamos juntos, companheiras e companheiros, para vencer mais uma vez.

Um abraço com muito carinho do

Lula

Nenhum minuto de silêncio, toda uma vida de luta

Nenhum minuto de silêncio, toda uma vida de luta

É com tristeza e pesar que venho por meio desta prestar minha solidariedade à família do companheiro Márcio de Oliveira Matos, militante do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e do Partido dos Trabalhadores (PT), da cidade de Iramaia, no sudoeste da Bahia, assassinado brutalmente na noite de ontem (24).
Ainda não se sabe qual a motivação para um crime tão bárbaro. Esperamos que haja a apuração devida e que os autores sejam responsabilizados, segundo o devido processo penal.
Marcinho tinha 33 anos e um filho de seis ano de idade, foi um militante forjado na luta pela terra, ex- dirigente nacional do MST pelo Estado da Bahia e um combativo militante do PT.

“Por nossos mortos nenhum minuto de silêncio, mas toda uma vida de luta!”

Pedro Tourinho
(Vereador pelo Partido dos Trabalhadores em Campinas)